segunda-feira, 28 de abril de 2008

Os jornais não contaram

Por volta das 11h30, Demócrito Dummar chega a sua casa, na Aldeota, numa esquina vicentina. Pessoas trabalhavam no conserto ao portão da garagem, avariado no dia anterior. Recebe a visita de seu advogado. A semana não fora de boas notícias, agravando um quadro de saúde depressivo, sob controle medicamentoso. Dívidas que se acumulam. Especula-se que o advogado falou da execução de uma delas.

Depois que o advogado sai, Demócrito leva consigo a Loura, um papagaio de estimação, e se tranca no banheiro térreo da casa dúplex. Com ele, também um 38, de propriedade de um segurança. Cinco tiros, duas cápsulas não deflagradas. Dois disparos à altura do peito e o fatal, na fronte.

Era forte o barulho de buzinas dos pais mal educados que terceirizam ao Santa Cecília a educação que não sabem dar aos filhos. A algazarra evitou que os do andar de cima ouvissem os estampidos. Por volta das 13h30, a presença de Demócrito era reclamada à mesa do almoço. Alguém ainda brincou com a demora: “Será que foi seqüestrado?”

O enteado Ronaldo, conhecido como Rony, vai em busca do padrasto. No banheiro, ninguém responde. Com a ajuda de mais gente, Rony arromba a porta. A tragédia de quem partiu, o drama de quem ficou. Mais dores se avizinhavam.

Com a chegada da polícia, nenhuma hipótese descartada. Três tiros, difícil de acreditar em suicídio. A mulher, que perdera o marido, enfrenta a suspeita de homicídio por parte do filho. Mesmo porque era conhecido o histórico de pequenas desavenças entre enteado e padrasto. Coisa banal, mas às vezes usada como ingrediente de realce de uma circunstância.

Ela mesma alvo de suspeita: crime passional? Cruel exercício da inquirição policial. O exame de parafina repõe a realidade. Matou-se. Os primeiros tiros não atingiram órgãos vitais. A determinação deu seqüência ao ato final.

Demócrito sempre foi forte, até a última prova. Era a força do Povo, como denota a origem do seu nome em grego. Instigante toda a vida, deixa seu maior desafio aos sucessores e à sociedade cearense: manter o jornal no nível de excelência em que ele colocou. É a maior e melhor homenagem que lhe fazem.

PS: as informações cruciais para montar a história foram confirmadas sempre por mais de duas pessoas. A questão da dívida é apontada por todos, alguns chegaram a falar na possibilidade de prisão por causa delas. O prédio do jornal estaria penhorado. Fala-se muito. Não tive como confirmar, deixo-as no armário da especulação. O que pude confirmar é que as dívidas, só com o INSS, somam mais de R$ 65 milhões.

15 comentários:

Anônimo disse...

Ainda não entendo pq o suicídio não é tema a ser abordado pelos jornais e tele-noticiosos policiais, em contraponto, a brutalidade do jornalismo canibal policial se faz presente no dia a dia aproveitando-se da desgraça alheia em programas policiais a td o momento, coisa que excluí notícias que sujariam a vida do herói Demócrito. Fatos como esse me deixam ainda mais receoso sobre a veracidade de tudo que é divulgado pela imprensa, em especial o jornal O POVO (E outros na mesma linha). Ao meu ver, o intuito do GRUPO O POVO e associadas, pelo menos nesse momento, é o de transformá-lo em um Assis Chateaubriand ou similar, meio iniciante em outros campos como a tv (Muito ruim por sinal)mas que depois da comemoração de seus 80 anos (Os caras foram tão humildes que compraram até a benção do Bento 16) só restava mesmo ao grupo produzir um herói do jornalismo do que mostrar um ser humano com seus erros e fraquezas...

Anônimo disse...

Essa dívida do O Povo vem se arrastando a anos e todo mundo sabe disso. A notícia que Dr. Democrito recebeu de seu advogado realmente não deve ter sido nada boa para ele tomar a decisão de dar 3 tiros e acabar com sua vida. Independente se ele era uma pessoa carismática, Democrito e sua família afundaram ainda mais o jornal em dívidas. Houve má administração. Democrito sempre foi avesso a administração do dinheiro, o que ele gostava mesmo era de sonhar, ser entusiasta, falar, gostava do jornalismo. Já dinheiro, dívidas, isso não era assunto que ele dominava e que nunca gostou de discutir. Assim, as dívidas foram se acumulando. Dívidas graves pois para onde foram os 65 milhões da aposentadoria dos seus funcionários? Estão nas paredes da TV O Povo? A criação desta TV mostra a irresponsabilidade financeira da diretoria. Como montar uma estrutura de uma televisão tendo nas costas dividas tão exorbitantes? Sem falar em projetos que gastaram horrores de dinheiro e não trouxeram retorno como os mega-festivais-sem-sentido "Vida e Arte" e o portal NoOlhar. Ambos não trouxeram lucros para justificá-los, tanto que não existem mais. Quanto aos jornais não comentarem, eu entendo perfeitamente. Imagina o Jornal O Povo dizendo que seu chefe-maior pulou do barco se suicidando com 3 tiros por causa de dividas que levariam o jornal a falência? Complicado dizer isso. Poderia ser considerado um suicidio do próprio jornal. Já aos "amigos" como Diario do Nordeste, noticiar uma gravidade dessas seria no minimo falta de coleguismo. Realmente esse tipo de notícia cabe muito bem em blogs como esse, acredito que são os melhores veículos para noticiar esses fatos de bastidores. Mas o suicidio de Democrito Dummar não irá acabar com essas dívidas. Cabe agora aos filhos, encabeçado por sua filha Luciana, modificar essa situação que vem se arrastando. Para isso será necessário muita humildade. Pq não vender seus bens familiares antes que peguem a sede da Aguanambi? Quando se dá um passo a frente e não dá certo, melhor recuar dois. Comece vendendo a mansão, as obras de arte de Democrito, tudo que há de valor, carros, casas de veraneio, fecha-se esta TV O Povo que é muito ruim e não deve dar lucro, quem sabe até vende-se algumas rádios. Assim, diminui as dívidas com a justiça, paga-se a sagrada aposentadoria de seus funcionários e mantém a tradicional marca O Povo. E aqui ficamos, orando por Seu Democrito que está precisando pois suicidio é transgressão grave das leis de Deus . Oremos.

Anônimo disse...

Este negócio do ´esconde-esconde´ leva a pérolas, pelo mínimo, curiosas. Hoje, por exemplo, o jornalista Sílvio Mauro escreveu no blog do Povo, cito: “...penso que o senhor Demócrito Dummar foi um exemplo a ser seguido por todos os empresários desse estado” . Mmmh, o que será que ele quis dizer com isto? Que todo o empresário do Ceará deveria se dar um tiro? Que ele serve como exemplo para fechar os olhos quando a situação financeira aperta? Bom, vamos deixar para lá... De todo modo, obrigado por sua atitude franca de trazer ao público um fato que os jornalistas deste grupo parecem não ter coragem tocar! Acabou-se o Povo que se gabava, ainda há pouco tempo, tanto de seu ´ombudsman´ ou de manter um Blog que se dizia mostrar de forma supostamente transparente ´a rotina interna da redação ´ - tudo isto, revela-se agora mera fachada, mal disfarçando o clima de apreensão. A História está se tornando mesmo deprimente...

Anônimo disse...

Caro André parabéns pela qualidade do Blog.

Foi aqui, após vasculhar a internet quase toda que consegui saber a causa da morte de Demócrito Dummar, não sei como podem querer esconder um fato desses, é impressionante como você conta tudo com riqueza de detalhes, não me leve a mal mas você tem certeza de que os fatos se deram realmente dessa forma? conheci Demócrito e sempre achei ele uma das pessoas mais lúcidas e tranquilas que já conheci, para ele se matar o problema teria de ser realmente muito grande, o que você conseguiu apurar sobre isso? Será que o Grupo de Comunicação O Povo está a um passo da falência? É isso?

Anônimo disse...

hahahahahahahaha!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Onde estava sua câmera? Ou você estava debaixo da cama? Afinal, porque mesmo você se esconde? heim? heim? Eu sei a resposta. hahahahahahahaha

André Carvalho disse...

Ora, ora, ora... um anônimo falando em esconderijo. No post, está explicado como construí a história. Ou você acha que em todas as reportagens, o profissional estava lá com a câmera? Você sabe muito bem que não é assim. Na grande maioria, as histórias são contadas em cima de versões, pois não?

Anônimo disse...

Primeiro, como a fonte (a família do morto) pediu que detalhes do fato fossem preservados, o jornalista tem o compromisso de fazê-lo, ao aceitar as condições. Nesse princípio não foram citadas as circunstâncias da morte do Demócrito. Foi uma atitude correta. Ao que postou acima, a aposentadoria dos funcionários não tem absolutamente nada a ver com a empresa O Povo, posto que é de responsabilidade do INSS. Quanto ao texto do blog, não há amparo legal para prisão por dívida. Caso a alusão seja a uma possível medida dessa natureza em virtude de apropriação indébita - assim é tratado o não repasse do desconto previdenciário do empregado por parte do empregador ao INSS - aí sim, poderia, mas não se trata de uma dívida. O valor referente irregularidades com o INSS da empresa O Povo não é de R$ 65, mas de R$ 80 milhões. Somando-se aos demais débitos, chega-se a um passivo de mais de R$ 100 milhões. Impagável, ainda que seja penhorado e leiloado todo o patrimônio da família Dummar. Não interessa se o jornalista praticou o suicídio. Compreensível que O Povo ressalte o trabalho de seu presidente. Estranho se ocorresse o contrário. Qualquer outro veículo de comunicação também age da mesma forma. Foi assim quando morreu Roberto Marinho. Deixem que a história e o povo julguem o episódio.

Luiz Carlos Vidal disse...

O nobre colega do comentário anterior diz que "a aposentadoria dos funcionários não tem absolutamente nada a ver com a empresa O Povo" e mais a frente diz "Caso a alusão seja a uma possível medida dessa natureza em virtude de apropriação indébita (do INSS)...". Apropriação indébita por parte de quem? Do Jornal O Povo não é? E como vc diz no início que a aposentadoria de seus funcionários não tem a ver com O Povo e sim com o INSS? Toda empresa deve repassar o valor do INSS para o INSS. Ao não repassar, como você mesmo disse, trata-se de apropriação indébita, isso para não dizer roubo ou desvio de dinheiro. Se a conta é R$ 80 milhões ao invés de 65 e a soma é R$ 100 milhões então a situação piorou. O melhor a fazer agora é assumir que houve má administração, se render a realidade e realmente fechar o jornal. Pronto. Não adianta se matar, gritar ou chorar. Seria negar a realidade, como fez Seu Democrito.

Anônimo disse...

Dever INSS não dá prisão? Só pode estar maluco. Veja o que aconteceu hj com o filho do ex-dono da VASP
http://oglobo.globo.com/economia/mat/2008/05/02/wagner_canhedo_filho_preso_por_dividas_trabalhistas_de_empresa_do_grupo_vasp-427176660.asp

Se bobear é o q vai acontecer com os filhos do ex-presidente do O Povo.

Anônimo disse...

Luiz Carlos Vidal, em nenhum momento foi dito que não houve má administração na empresa. Houve sim, e muito. A aposentadoria não tem a ver com a empresa O Povo pelo simples fato de que, ao provar que o desconto previdenciário foi feito e não repassado, o INSS tem a obrigação de conceder a aposentadoria ao trabalhador, passando a incluir o responsável legal pela empresa como autor do não repasse, caracterizando apropriação indébita. Essa é a nomenclatura e a tipificação. No caso de dívida cível, apenas dois casos têm previsão de serem processados no âmbito criminal, com pena cominada: de depositário infiel - no qual o INSS conseguiu que o Judiciário incluísse os que se encontram na situação citada - e da inadimplência de pensão alimentar. Render-se à realidade, fechar o jornal é uma atitude muito simples, não fosse representar situação de penalização de dezenas, centenas de trabalhadores que nada têm com a má gestão que se revezou ao longo dos anos no O Povo. Volto a dizer: os trabalhadores que tiveram a contribuição previdenciária descontada e não repassada não terão nenhum tipo de prejuízo, isso é assegurado em lei. Os que já estão aposentados, também não terão qualquer tipo de implicação. O tempo de contribuição será devidamente contabilizado para efeito de aposentadoria, independentemente de repasse. Sei que para leigos é difícil não apenas entender, mas aceitar os meandros jurídicos, entretanto assim é nosso ordenamento jurídico. Trata-se do mesmo princípio que rege o ICMS, que é distorcido e se diz que empresa "A" é a maior pagadora do tributo. Não é. Toda empresa que opera com mercadorias e serviços é apenas um agente repassador do imposto que é pago pelo consumidor. Seu não repasse também constitui crime de apropriação indébita. Mesmo assim ainda não se viu nem se vê ação do governo estadual, tampouco do Ministério Público Estadual para colocar na cadeia os inúmeros empresários que cometem esse delito.

Anônimo disse...

Este blog me dá nojo...

Anônimo disse...

Estou acompanhando esta polêmica nos blogs, sites e portais em torno dessa problemática de noticiar suicídios, mais precisamente neste caso que para mim, parece bem próximo. Também não consigo discordar da sua opinião caro André. Penso e creio que vou continuar pensando que suicídio merecem um certo cuidado, claro, mas em casos de pessoas ilustres como foi Demócrito, foi até ridículo da parte do O Povo não se portar como um veículo de comunicação. Não é porque se trata do presidente que esta notícia não poderá ser feita. Pergunto-me quantos casos não foram ocultados? Quantos foram distorcidos? Levando-se em conta apenas a um estudo que não se sabe de onde veio? Exato. Aquele que todos repetem: o do contágio. Não concordo que o jornalismo seja baseado apenas a partir disso. Há outras questões que devem ser lembradas. A notícia pode se tornar preventiva, e por medo os jornais preferem evitar. Proponho um real estudo acerca da tal imitação, que aliás, um dos primeiros a falar de suicídio, o folósofo Durkhein, não confirmou em sua obra O Suicídio-Estudo de sociologia.
Outro questionamento é: se o O Povo oculta a morte do proprietário por questões quem sabe sentimentais, cabe a nós pensarmos onde estão os compromisso éticos do jornalismo? Na página do O Povo, na coluna Ombudsmam, está postado o código de ética dos jornalistas brasileiros. Não precisa ir longe para perceber que alguns artigos foram violados. Cadê o direito à informação que todo cidadão deve ter?Cadê a ética jornalistica em informar a verdade dos fatos? Tudo por água abaixo. Cabe repensar na forma de se fazer jornalismo. respeito ao suicida é uma coisa bem diferente do fazer jornalístico. Se se dizem uma empresa de comunicação, que assuma o trabalho. Inclusive quando doer.

Anônimo disse...

Até o presente momento nada se comentou, de forma oficial, sobre os motivos que levaram o presidente de O Povo ao suicídio, até quando essa situação vai perdurar? É impressionante como a família Dummar tornou o que seria a missa de 7º dia num grande espetáculo na catedral de Fortaleza, inclusive com transmissão pela TV do grupo, interromperam a tranmissão da TV Cultura em horário nobre e levaram ao ar, na íntegra, a missa em homenagem ao suicida. Até índios participaram da festa, fora corais, cantores, com direito a mensagens de amigos e familiares, alguns até declamaram poemas, o que foi aquilo?????? O suícidio também tornou-se espetáculo??????

Anônimo disse...

Que droga...

Como dizer...

Como ser verdadeiro, imprimir fatos e opnioes verdadeiras, se a midia, cada dia custa mais, cada dia perde anunciantes, e pagantes, cada dia o caixa 2, da midia aumenta, nao por vender sem nota, mas por receber por fora, ou "permutar" espaco pro produto? E quando um grande cliente tem materia desfavoravel? Todo dia tem caso de policia na porta de um grande hospital da cidade, dono de um grande plano, mas, sai uma linha sequer?

Ato exclusivo que em muito lava a honra deste nobre senhor, dividas da empresa com INSS, mesmo por via da penalizacao da divida pela criacao do abominavel instituto de apropriacao indebita, nao afeta a aposentadoria de nunhum funcionario. Nada! Ser sim como instrumento de coagir o empresario a fechar a empresa ou ser preso.

Alias, nenhum funcionario pede demissao, ou mesmo procura outro emprego, quando o patrao atrasa (ou deixa de pagar mesmo) FGTS, ou INSS, por que? Porque o pao do dia dia vale muito mais! Tanto para o empregador como para o empresario!

Midia de joelhos (a Globo como exportadora de midia, foi contemplada pelo ultimo programa pro industria, veremos novo casamento Globo/Governo? SIM), patrimonio real da familia dummar indo pelo esgoto, por via da cobranca de impostos e juros irreais (os maiores do mundo comparativamente!)!

Quem voce conhece que abriu uma industria nos ultimos 7 anos?! Mas, quem voce conhece que esta sonhado em mamar nas tetas do governo via funcionalismo publico?!

Viva Dummar, que em seu ato impensado nos rouba de importante protagonista da vida de nossa cidade!